Tenho a sorte de me dar com gente capaz de produzir, quando a ocasião o pede, verdadeiros rasgos de génio. Assim, e embora não concorde com um dos pontos que é nela levantada, trago-vos a opinião do meu colega Hugo Miranda em relação a esse atentado à cultura, essa blasfémia contra o património linguístico português que é o Acordo Ortográfico:

“Meus amigos, isto é assim mais ou menos desta maneira: eu não vou escrever com o acordo. Nunca. E passo a dizer porquê: porque, não sendo patriota, sou português. Facto. E sendo português, falo como um português (é certo que com ‘erres’ à castelhana), e escrevo como um português. Não me venham pedir para escrever como os brasileiros só porque eles não percebem a nossa escrita. Também não percebem a nossa fala, e sabeis que mais? Estou-me cagando. O meu macro-dialecto (PT-PT) evoluiu de acordo com as necessidades dos que o falam nativamente, não dos que os querem colonizar. Tem uma carga dialéctica e etimológica que sairá horrendamente mutilada se este circo de interesseiros transatlânticos levar a sua avante. E envergonhem-se aqueles que dizem que a escrita ficará mais próxima da fala. A escrita e a fala têm dois registo diferentes. É, portanto, lógico que tenham diferenças substanciais. Mas, mesmo assim, o Português Europeu, eufonias e cacofonias à parte está bastante bem refinado, o que já não se pode dizer do brasileiro. Contudo, eu não estou a dizer que o Português brasileiro se deva refinar. Não sendo do Brasil, não estarei a opinar nesse sentido, tal como espero que eles não opinem acerca do rumo que a nossa língua deve tomar. Ámen.”

– por Hugo Miranda – Coimbra, 4 de Abril de 2012 –

Palavras para quê? Já muito discuti e debati sobre o AO com os meus colegas e amigos, ficando-me agora por subscrever a opinião do Hugo (apesar de, ao contrário dele, eu me considerar um patriota).

Aproveito também para vos dar a conhecer a ferramenta que permitirá purgar o AO de vez. Refiro-me à Iniciativa Legislativa de Cidadãos (ILC) contra o AO. Isto é, sintéticamente, uma proposta de alteração de lei que visa recolher 35 mil assinaturas para apresentar em Parlamento uma introdução para remover o AO de vez da legislatura portuguesa (onde ele foi inconstitucionalmente introduzido, porque é assim que os pulhas a que chamamos políticos operam neste país). Basta clicarem no link abaixo:

http://ilcao.cedilha.net/

imprimirem o impresso, assinarem-no e enviarem-no para a morada nele contida. O blog é actualizado regularmente com toda a espécie de notícias relativas ao AO e ao progresso desta ILC. Eu próprio irei, de tempos a tempos, postar acontecimentos de relevância em relação à ILC. Peço-vos a todos que assinem sem demorar, para podermos contrariar a maré de ignorância que subjaz a este Acordo e removermos de vez esta nódoa na nossa língua e na nossa consciência nacional.

Advertisements